Fórum Náutico do Sudeste

Fonte: Revista Náutica
Aproveitando a realização do Rio Boat Show 2016, as Secretarias de Desenvolvimento Econômico e Turismo dos estados do Espírito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro e São Paulo assinaram um protocolo de colaboração comum, no sentido de criar condições propícias ao desenvolvimento acelerado da indústria náutica nestes quatro estados brasileiros.

“Temos 50% da produção e 70% das vendas de barcos no Brasil. Precisávamos encontrar uma fórmula inteligente para fomentar o turismo náutico e toda a cadeia produtiva do setor. Esta fórmula é o Fórum Náutico Sudeste. Barco não é produto de rico. Cada embarcação gera oito empregos diretos e indiretos e 80% dos barcos custam o mesmo que um automóvel médio”, revela Marco Antonio Castello Branco, coordenador do Fórum Náutico Paulista e representante da Secretaria de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação de São Paulo.

A junção destes quatro estados brasileiros representa uma iniciativa importante, mostrando que tanto o setor público quanto o privado estão unidos para colocar a indústria náutica nacional no mesmo patamar do segmento naval de lazer encontrado nos países desenvolvidos.

“Minas Gerais tem um potencial náutico enorme. O Rio São Francisco começa em Minas. Infelizmente não fizemos eclusas no Rio Grande, mas temos que desenvolver também as hidrovias na região, tanto para o segmento náutico de lazer como para o comercial. O Fórum Náutico Sudeste veio num momento perfeito. Precisamos criar empregos”, atesta Altamir de Araujo Rôso Filho, Secretário de Estado do Desenvolvimento Econômico de Minas Gerais.

De acordo com o Assessor de Planejamento e Gestão Estratégica do Governo do Rio de Janeiro, Marcelo Dreicon, o Rio de Janeiro criou o primeiro fórum náutico estadual e foi pioneiro na indústria náutica de lazer no Brasil. “Trocar experiências com os outros estados do Sudeste sobre este assunto vai ajudar a desenvolver rapidamente este importante setor industrial” informa.

Já a representante da Secretaria de Estado de Turismo do Espírito Santo, Polyanna Lopes Loureiro Vaz, faz questão de ressaltar a importância da participação do estado. “O Espírito Santo tem um litoral belo e rico em fauna marinha. O recorde mundial do marlin azul, um dos peixes mais esportivos do mar, aconteceu no litoral capixaba. Queremos colaborar ao máximo com um setor importante para o turismo e que tem muito para crescer”, explica.

Atualmente, a Região Sudeste representa metade do PIB brasileiro e gera 80 mil empregos diretos e indiretos, relacionados ao segmento náutico. A maior parte das marinas e a grande concentração de barcos de grande porte, acima dos 40 pés (12 m), também se encontra no Sudeste, que tem cerca de 40 estaleiros.